Dicotomias

Memórias, contos & Poesia

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Reflexões



 O Anonimato


                                                                  Reflexões


Sempre considerei que o anonimato em determinadas circunstancias era uma manifestação de cobardia, portanto, passivel do meu desprezo.  Em certos aspetos chega mesmo a ser um ato criminoso. Hoje, porém, é o próprio Estado que fomenta e dá crédito a tais procedimentos, patrocinando a denuncia anónima, junto dos orgãos da nossa Justiça
. Qualquer cidadão está sujeito a ser denegrido, vilipendiado por diversas formas, até, agora, mais recentemente com o advento da internet. Este tipo de pessoas, que utilizam tais procedimentos, chegam a inventar sites virtuais, para, a partir destes, conseguirem entrar paulatinamente nos dos outros.  Aí podem escrever o que bem lhes aprouver e vomitarem toda a sua infecta verborreia.

Quem se esconde atrás do anonimato é porque, à partida, tem receio de algo. No entanto, também, reconheço que em determinadas circunstancias é necessário manter o anonimato, refiro-me a algumas situações bem determinadas em que a própria vida corre perigo. Os próprios Estados, recorrem a sofisticados processos de denuncia anónima – basta vermos nos meios da comunicação o que determinados departamentos conseguem a partir de todo um rol de procedimentos em defesa dos paradigmas da defesa nacional e dos cidadãos.  Aqui cabe tudo: veja-se a CIA e outras congéneres de diversos países, inclusivamente o nosso pequeno país com o seu serviço de informação.   Isto para dizer que hoje, qualquer cidadão, além de estar continuamente vigiado, também está sujeito a qualquer denuncia, por vezes, com inicio em qualquer malfeitor sem caráter nem escrúpulos.  São as perversões dos nossos estados de direito, do nosso adorável MUNDO NOVO





A Sala do Tempo Parado

A Sala do Tempo Parado
Só quem não viveu não tem histórias para contar

Seguidores