Dicotomias

Memórias, contos & Poesia

quinta-feira, 1 de maio de 2014

A Caridade da esmola - Por Hélder Gonçalves


Reflexão
Imagem Google

 Há certas palavras, no decionário,
deveriam ser, por bem, apagadas -
por desmerecerem um bom ideário
das boas atitudes a serem praticadas
hg



A esmola e a solidariedade


Os conceitos filosóficos  da esmola, caridade e solidariedade ainda estão enraizados na nossa cultura como atributos de formação, a valorizar no comportamento de cada um de nós. Claro que estes conceitos integram-se no mundo e em cada sociedade tal como ela é composta, já que tais conceitos e práticas humanistas estão interligadas, por tal, dependentes da evolução de cada país no seu
desenvolvimento cultural , religiosa e na gestão na área da sua riqueza económica. Fatores estes muitos importantes no comportamento dos seus habitantes  e da forma como eles vivem. A religião, especialmente a católica, defende nos seus ideários, em defesa dos pobres e dos mais desfavorecidos,  a resignação como benção Divina e, na contrapartida,  o favorecimento do ato de quem dá na esperança da  obtenção dos favores obtidos pela prática da  caridade e  da esmola, refletidos na atitude de quem assim procede . Estes valores doutrinários pregados, em catequese, são,a constatação, das desigualdades e imperfeições  perpassadas através dos tempos, em que era necessário mais falar ao coração, A Revolução Francesa veio alterar todos estes conceitos, no pressuposto que o Homem nasceu igual e com direitos iguais. Creio que a longa caminhada até à feitura da Carta dos Direitos Universais do Homem foi, e será sempre, dramática na sua aplicação porque agora, nos tempos modernos,já não se falará tanto ao seu coração mas sim à sua consciencia. Fizeram-se contudo,grandes progressos. Tudo depende, quanto a mim, como as sociedades se organizam socialmente e como distribui a riqueza que produz, com mais ou menos justiça e equidade. Estamos naquele patamar da História em que tem de se encontrar uma 3ª via e correr com os vendilhões do Templo, porque na verdade só se é realmente livre quando não tivermos tremendas dependencias de ordem económica, nem flagrantes desigualdades e nos constantes atropelos aos  direitos fundamentais. A evolução é um determinismo cósmico - o Homem caminhará no sentido do seu aperfeiçoamento e, nele, não caberá, certamente, os conceitos menores da esmola  e da caridade mas, talvez, o da solidariedade.

Texto da autoria de Hélder Gonçalves como comentário a um extraordinário artigo da Escritora e Poetisa, Sílvia Mota, sobre este tema, em 29-04-2014 no site PEAPAZ.





A Sala do Tempo Parado

A Sala do Tempo Parado
Só quem não viveu não tem histórias para contar

Seguidores