Dicotomias

Memórias, contos & Poesia

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Amanhã - por Hélder Gonçalves







Amanhã ficarei mais só
Sem uma grande amiga
De tantos anos
Amanhã ao abrir a porta
Não terei a sua alegria
Ninguém me conforta
Ela partirá tranquila
Sem saber que já não volta
Quem decide por ela
Puta de vida, que revolta
Eutanásia - minha decisão
Hoje, véspera da execução
Ao meu lado, confiante
No doce olhar penetrante
Como interrogando
Lágrimas do meu pranto
 Da cadela Daisy 
Com saudades vou ficando

Amanhã!

24-10-2014


A Sala do Tempo Parado

A Sala do Tempo Parado
Só quem não viveu não tem histórias para contar

Seguidores