Dicotomias

Memórias, contos & Poesia

sábado, 29 de agosto de 2015

A Janela do meu quarto- por Hélder Gonçalves (do Livro ALFAMA)





Do Livro ALFAMA

Dedicado à memória de minha mãe, Elvira do Carmo



 A Janela do meu quarto



Neste meu tão simples espaço,
Sem adereços, nem cortinados.
Quadros na parede, não precisa-
Monnet, Matisse, ali, a um passo
No Tejo – Falua, garbosa deslisa.
Casario de telhados encarnados!

Neste meu, tão simples espaço
Onde, meus sonhos crescem
Pela janela - Voam em balões
Neles sigo, presa num abraço
De branco vestida - Anjos tecem
Pétalas espalho, das desilusões!

Neste meu tão simples quarto
Onde de mim - Tanta intimidade!
Menina que fui, em sonhos curtida,
De olhar o Tejo, nunca me farto.
Falua que passa – Sonho e liberdade,
Com amor, minha sina, estarei na vida!










A Sala do Tempo Parado

A Sala do Tempo Parado
Só quem não viveu não tem histórias para contar

Seguidores