Dicotomias

Memórias, contos & Poesia

quinta-feira, 3 de março de 2016

Ruas Desertas - por Hélder Gonçalves


 As ruas por onde passo, estão desertas.
Sem alma, janelas fechadas, luz difusa
Portas fechadas, cadeados bem fortes.
Vou caminhando -  Esperanças incertas
Onde encontrar abrigo, sem a recusa,
Continuo perdido em tantos desnortes!

As ruas por onde passo existem pessoas
Escondem-se em cortinados, nas janelas;
Espreitam quem passa, não se mostram,
Nem abrem as portas -  O medo está nelas-
Preconceitos, outras razões menos boas,
Vêem-me passar -  De  mendigos não gostam!

Hélder Gonçalves
Maio 2012




A Sala do Tempo Parado

A Sala do Tempo Parado
Só quem não viveu não tem histórias para contar

Seguidores