DICOTOMIAS

MEMÓRIAS, CONTOS E POESIA

sábado, 24 de janeiro de 2015

Estranha Forma de Amar - por Hélder Gonçalves








Estranha forma de amar.
Vontade intrinseca de magoar!
Sentimentos incontidos
Alguns silencios doridos
Vontade de te tanto gritar!

Palavras que dizendo ferem.
Aleijam  -  assim querem!
Num jogo continuado.
Sem paragem -  desenfreado.
Sem tréguas, tal preferem!

Será isto jeito de amar?
Antes, prenuncio de odiar?
A face da mesma moeda?
Ou de um amor em queda?
Que já não deixa ocultar?

Porém tudo fica esquecido
Zangados, momento perdido.
Abraços seguem-se com força
Beijos loucos, tudo se reforça
Esquecidos , ninguém ofendido!

Tudo volta à mesma calma
Pouco tempo – está-se a ver
Seguindo-se a mesma sorte
Assim, há, quem isto  suporte
Porque amar - é também sofrer!




Hélder Gonçalves
Junho 2013


A Sala do Tempo Parado

A Sala do Tempo Parado
Só quem não viveu não tem histórias para contar

Seguidores