DICOTOMIAS

MEMÓRIAS, CONTOS E POESIA

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Ruas Desertas - por Hélder Gonçalves







As ruas por onde passo estão desertas.
Sem alma, janelas fechadas, luz difusa
Portas fechadas por cadeados bem fortes.
Vou caminhando com esperanças incertas
Onde encontrar abrigo, sem ter a recusa,
Continuo, perdido em tantos desnortes

As ruas por onde passo existem pessoas
Escondem-se em cortinados, nas janelas;
Espreitam quem passa, não se mostram,
Nem abrem as portas, o medo está nelas
Preconceitos, outras razões menos boas,
Veem-me passar  -  mendigos não gostam!

Hélder Gonçalves

Maio 2012

A Sala do Tempo Parado

A Sala do Tempo Parado
Só quem não viveu não tem histórias para contar

Seguidores