DICOTOMIAS

MEMÓRIAS, CONTOS E POESIA

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Coração de Poeta - por Hélder Gonçalves

   



Coração de poeta, quanto é falso!
Traiçoeiro, por demais perigoso.
Sem sentido - É cego em servidão
Refém, seguindo passo a passo
Ilusões, sonhos - Quão doloroso!
Das malsãs tormentas que ficarão,
Após sonhos e da ilusão em acaso

Coração de poeta eterno sofredor.
Da sua loucura segue impreparado,
Sempre no logro e da má avaliação,
Nunca pensa nem ouve seja o que for:
Independente, livre, mesmo magoado-
É ele que pensa, que dita a condição:

Porque ele é vida, é sonho, é Amor!


Hélder Gonçalves







A Sala do Tempo Parado

A Sala do Tempo Parado
Só quem não viveu não tem histórias para contar

Seguidores